São Paulo 136 Occupied Schools fight on: Student Victory March

update 12th Dec. VICTORY!. The ‘school decimation’ has been suspended for a year and the Education Minister Voorwald has resigned. Many occupied schools have decided in assembly to CONTINUE OCCUPYING,  calling for total cancellation of government plans and solutions for many other issues.

update thurs 10 Dec.. 136 schools are still occupied!!!escolas-ocupadas-em-sao-paulo

BY REVOLUTION NEWS   Students and teachers in São Paulo continue to protest against conservative Governor Alckmin’s attempts to “reorganize” the educational system in São Paulo which will involve closing almost 100 schools.

The student movement is fully autonomous and self-organized with protesters mostly between the ages of 13 to 18 occupying high schools around the city.11nov2015---alunos-da-escola-estadual-fernao-dias-paes-em-pinheiros-zona-oeste-de-sao-paulo-seguem-ocupando-a-escola-na-manha-desta-quarta-feira11-eles-entraram-e-se-trancaram-na-escola-com-1447235870060_956x500

As of the time of this publication, the website keeping track listed a total of 219 occupied schools. Plans for the reorganization have been temporarily suspended so occupation numbers may be dropping. The student movement has gained such support that some students in Italy have now occupied a school in Rome inspired by the student occupations in Brazil.ESCOLAS-OCUPADAS

200 Brazilian Schools Occupied – Police Attack Students

1449256628_234678_1449267711_sumario_normal

The government proposal announced in September by the State’s Educational Administration will affect 311,000 students and their families; and 74,000 teachers in 1,464 schools. According to São Paulo State Secretary of Education Herman Voorwald, the proposal is intended to reduce the complexity of school administration by separating schools into three levels: “Ensino Fundamental I” (ages 6 to 10), “Ensino Fundamental II” (ages 11 to 14) and “Ensino Medio” (ages 15 to 17).

Students and teachers fear the school closures will lead to classroom overcrowding, teacher firings reductions in salaries, and limiting access to education for lower to middle income students. The occupations of schools are an effort to force a dialogue with the authorities as well as draw attention to existing problems in Brazil’s public school system such as over crowded classrooms, lack of basic items like desks and chairs, shortages of computers and inadequate security.5z0dszdx1bh107buc2wvzg5ls

“The conditions at our schools are precarious enough and with these closures, they will only get more precarious,” 18-year-old Eudes Cassio da Silva Oliveira told Al Jazeera at the Fernao Dias school, the first to be occupied.

Map of occupied schools Click here for interactive map via Globo

The occupiers ages range from ages 13 to 18, and they have been receiving widespread support from both parents and teachers. On November 13, a judge who had previously given a 24 hour notice for the students to leave the occupied schools, went back on his decision by stating that the current occupations are not a matter of invasion of public buildings, but a matter of occupation with a firm political basis. This means that the students are legal occupiers.

SP

Meanwhile students have barricaded themselves inside the occupied schools using chairs and tables and have decorated the outer gates with signs saying “It’s our school,” “We are taking what’s ours by right” and “The students resist.” Their organization is fully autonomous and self-organized.

“I was a student and a teacher in the state-funded system, and I’ve never seen a movement like this,” says history teacher Marco Cabral, “This moment is unique. I’ve never seen a movement on educational themes that didn’t come from teachers and their syndicates. The strikes involving the public system happen every year, without much mobilization of the parents or students. Now with students in the forefront of the movement we see a lot of parental support. I hope this sparks a change in the history of education in São Paulo, but it’s too early to tell.”

Young activists lock themselves inside resisting the police Photo: Laura Viana

Dazed Digital reports these occupations are symptomatic of a much larger educational crisis that is present throughout Brazil’s history – state-funded schools have a tendency to be underfunded and overcrowded, with underpaid teachers. This re-structuring would mean there would be, in some cases, over one hundred students in each classroom.

Earlier in 2015, teachers took part in a three month strike demanding that the government increase spending on education. Teachers then campaigned for decent pay and for an end to the underfunding of education.arton4237

A continuously updated list of occupied schools can be found here with links to their individual facebook pages. Hashtags to follow on social media are #OcuparEresistir, #OcupaEscola and #ReorganizaçãoNão.

Sources:

READ MORE: 200 Brazilian Schools Occupied – Police Attack Students

A massive student march took place today in São Paulo with estimated 10,000 students participating. Students, parents and teachers attended the protest in support of the students to mobilize against the reorganization of state schools.alunos

              Twitter

“#OcupaEscola March of the students take the AV. Paulista and follow in the direction of Consolação. #ProtestoSP”

“March continues to 9 de julho. #OcupaEscola #menoscortesmaisescolas”

“#OcupaEscola march comes to 14A Square blocking the 9 of July Avenue bridge in both directions”

Students in this next video are chanting for an end to the militarized policing of protests. Protesters also demanded an investigation be opened into the actions of military police in the student protests of recent weeks.4655782_x360

The march was peaceful all day until the police tear gassed the protesters, because some people allegedly threw rocks.

“#OcupaEscola repression in the center of Sao Paulo”

“[Self-defence] Students arm barricades to stay safely away from police and continue peacefully.”

“#OcupaEscola 21:40 Repression. In an attempt to disperse the Av consolação, more bombs”

“#OcupaEscola 21:45 Repression. In attempt to disperse Av Consolação with R Sergipe more bombs.”Captura-de-Tela-2015-12-02-às-00.25.12

Reports are still coming in regarding arrests & injuries. Initial reports of 9 students arrested and possibly 2 minors beaten by police.

“Two of the detainees were minors and beaten by cowardly cops. Many others were beaten in the vicinity of the march. #OcupaEscola”

The website tracking which schools are occupied also has links to facebook pages for many of the individual occupations. We recommend checking them all out. All of the students involved are posting pictures and videos of the progress they are making in each school while they are occupying them such as cleaning and organizing classes.estudantes-ocupando-02

Mais 9 escolas são desocupadas por alunos no estado de SP, diz secretaria

136 escolas estaduais seguem ocupadas por alunos; Apeoesp fala em 127.
Na semana passada, governo suspendeu plano de reorganização de ensino.

tudantes desocupam a escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, em Perus, na zona oeste de São Paulo. (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)Alunos desocupam a E.E. Gavião Peixoto, em Perus, na capital (Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo)

O número de escolas estaduais de São Paulo, ocupadas por estudantes caiu para 136 nesta quarta-feira (9), segundo balanço da Secretaria de Educação. Até terça-feira (8), eram 145 unidades de ensino ocupadas. Já o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) diz que o número reduziu de 137 para 127.

Os alunos começaram a deixar os colégios após o anúncio do governo paulista, que decidiu suspender do plano de reorganização das escolas estaduais Como não existe uma liderança única, a decisão de sair é dos alunos de cada escola.

Os estudantes da Escola Estadual Brigadeiro Gavião Peixoto, em Perus, Zona Oeste de São Paulo, por exemplo, desocuparam o colégio na manhã de terça-feira após 19 dias de ocupação.

Os alunos receberam representantes da Diretoria de Ensino que vistoriaram o prédio antes da desocupação. Escola mais ´”populosa” da rede pública do ensino na Grande São Paulo, com cerca de 3,3 mil alunos, a Gavião Peixoto retomou as aulas nesta quarta.2964726

A saída dos estudantes foi tranquila. Eles recolheram colchões, cobertores, vassouras, produtos de limpeza, alimentos.

Denúncia de abuso sexual
A professora Andreza Delgado, de 20 anos, diz que sofreu abuso sexual de policiais militares após ser presa durante uma manifestação de estudantes contra a reestruturação da rede estadual no dia 3 de dezembro, em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo.

Segundo ela, os abusos aconteceram na viatura e no caminho para a delegacia. Ela foi libertada no dia seguinte, após uma audiência de custódia. Em nota, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) informou que a Polícia Militar nega todas as acusações.csm_ocupacao_escolas_saopaulo_folhapress_d619c24ea4

“Eu estava na calçada e depois fui arrastada para a rua antes de ir para o camburão. Foi um policial, não foi uma policial feminina. Eles passavam muito a mão no meu corpo”, contou (veja o depoimento no vídeo abaixo).

Ela diz que registrou um boletim de ocorrência no 89º Distrito Policial, no Portal do Morumbi, e fez exames no Instituto Médico-Legal (IML). Na nota, a SSP acrescenta que as alegações de Andreza também serão apuradas, tendo sido requisitado exame de corpo de delito.

Segundo a SSP, a prisão da jovem foi realizada por lesão corporal, dano qualificado, corrupção de menor, resistência, desacato e desobediência. A ocorrência foi registrada no 14º Distrito Policial, em Pinheiros.

2015111385021Suspensão
O governador Geraldo Alckmin suspendeu na sexta-feira (4) a reestruturação afetaria mais de 300 mil alunos. Na mesma data também foi divulgado pelo instituto Datafolha que o governador teve seu índice de popularidade mais baixo, com apenas 28% de aprovação.

No sábado (5), um decretou oficializou o adiamento das mudanças. Durante os protestos, a Polícia Militar (PM) foi criticada por agir com truculência com os estudantes que interditaram vias públicas da capital paulista.

Alckmin disse que irá dialogar com pais e alunos no ano que vem a respeito da reorganização da rede de ensino estadual e que os estudantes permanecerão em suas unidades em 2016.ocupacao-escola-salvador_allende_ale_vianna_estadao_conteudo

Após o governador suspender a reforma da rede de ensino, o secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, pediu para deixar o cargo. A carta com o pedido de demissão foi entregue ao governador, que aceitou a decisão de Voorwald. Alckmin deve anunciar o nome do novo secretário no início desta semana.

O governo paulista defende que a reorganização vai melhorar o ensino. Os alunos, porém, contestam e reclamam que não foram ouvidos pelo governo sobre as mudanças e sobre o fechamento das unidades onde estudam. Em protesto, eles passaram a ocupar, desde 9 de novembro, escolas em todo o estado.

Novos protestos
Um grupo de estudantes realizou um protesto na manhã de segunda-feira na Rodovia Raposo Tavares, na Zona Oeste de São Paulo. Os manifestantes pediam a suspensão da reorganização escolar em definitivo. O protesto ocorreu na altura do km 12 da rodovia no sentido São Paulo. Duas faixas direita foram bloqueadas e os veículos trafegam apenas por uma faixa, provocando congestionamento na região.

Os estudantes chegaram a interditar totalmente a pista no sentido São Paulo. De acordo com a Polícia Rodoviária, as pistas da estrada foram liberadas por volta das 12h20. Os manifestantes representam cinco escolas da Zona Oeste, entre elas a Escola Estadual Fernão Dias Paes.

Na noite de segunda-feira, uma manifestação de estudantes bloqueou os dois sentidos da Rua Teodoro Sampaio, próximo à Avenida Pedroso de Moraes, em Pinheiros.

WS1 SÃO PAULO 19/11/2015 - OCUPAÇÃO ESCOLA ESTADUAL GAVIÃO PEIXOTO - CIDADES- Movimentação de estudantes na Estadual Gavião Peixoto, em Perus (SP), ocupada por estudanres no final da noite de ontem. Estudantes ocupam o local em protesto contra o fechamento de escolas para a reorganização da rede de ensino estadual. FOTO:WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WS1 SÃO PAULO 19/11/2015 – OCUPAÇÃO ESCOLA ESTADUAL GAVIÃO PEIXOTO – CIDADES- Movimentação de estudantes na Estadual Gavião Peixoto, em Perus (SP), ocupada por estudanres no final da noite de ontem. Estudantes ocupam o local em protesto contra o fechamento de escolas para a reorganização da rede de ensino estadual. FOTO:WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Ocupações
Um grupo de estudantes afirmou neste domingo (6), na Escola Estadual Diadema, que as ocupações e os protestos de rua continuarão. O pronunciamento foi feito por quatro adolescentes, que disseram ainda exigir um pronunciamento “concreto” do governador Geraldo Alckmin (PSDB) sobre o cancelamento da reorganização em uma audiência pública “amplamente convocada”.

Os estudantes leram um manifesto na Escola Estadual Diadema, ocupada desde 9 de novembro, e disseram representar os estudantes secundaristas. “Nós, estudantes secundaristas, após o encontro estadual das escolas ocupadas do dia 6 de dezembro, anunciamos que continuaremos na luta, seja ocupando as escolas ou as ruas”, disse um deles.13nov2015---a-escola-estadual-dona-ana-rosa-de-araujo-na-zona-oeste-de-sao-paulo-foi-ocupada-na-manha-desta-sexta-feira-13-por-estudantes-com-esta-nova-manifestacao-ja-sao-sete-as-escolas-ocupadas-1447419442917_956x50

O adolescente afirmou que a força dos estudantes foi provada, “uma vez que o governador teve que recuar com o projeto e o secretário [da Educação, Herman Voorwald] teve que deixar o cargo. Uma grande derrota imposta pelos estudantes”, afirmou. Questionados pela GloboNews, os jovens não afirmaram quantas escolas representavam.

Eles também cobraram punições a policiais que tenham “agredido ou ameaçado” os estudantes e o fim dos processos contra alunos, funcionários e professores. O governo de São Paulo não se manifestou sobre as afirmações feitas pelos estudantes neste domingo.

Virada
Na frente de outra escola na Zona Oeste de São Paulo, outro evento chamado Virada Ocupação comemorou os atos dos estudantes e a suspensão da reorganização escolar. A Virada Ocupação acontece em uma praça da Rua Cristiano Viana, no Sumaré. A praça fica em frente à Escola Professor Antônio Alves Cruz, uma das ocupadas por estudantes contrários à reorganização.

A virada foi convocada pela Rede Minha Sampa, que se define como uma rede de alerta e mobilização independente e “em prol de São Paulo”. Segundo a rede, também farão apresentações neste domingo as seguintes bandas e artistas: Maria Gadú, Bárbara Eugênia, Vanguart, Cidadão Instigado, Céu, Pequeno Cidadão, Paulo Miklos, Tiê e André Whoong, Arnaldo Antunes, Vespas Mandarinas, 2 Reis, Pitty, Chico César, Fresno, Bixiga 70, Yiago Iorc, Lucas Santana, Karina Buhr e Metá Metá.

Vários estudantes compareceram ao evento com faixas e cartazes contendo frases bastante usadas por eles nos protestos contra a reorganização das escolas. “Tira a minha escola e eu tiro o seu sossego”, diz um dos cartazes.

Estudantes durante Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)Estudantes durante Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)
Criolo se apresenta na Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)Criolo se apresenta na Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)
Vitrola Sintética em apresentação na Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)Vitrola Sintética em apresentação na Virada Ocupação (Foto: Fabio Tito/G1)

Suspensão
O governador Geraldo Alckmin recuou e suspendeu a reestruturação afetaria mais de 300 mil alunos nesta sexta. Na mesma data também foi divulgado pelo instituto Datafolha que o governador teve seu índice de popularidade mais baixo, com apenas 28% de aprovação.

Durante os protestos, a Polícia Militar foi criticada por agir com truculência com os estudantes que interditaram vias públicas da capital paulista.

O tucano disse que irá dialogar com pais e alunos no ano que vem a respeito da reorganização da rede de ensino estadual e que os estudantes permanecerão em suas unidades em 2016.

O secretário de Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, em foto de 2013 (Foto: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo)O ex-secretário de Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald (Foto: Tiago Queiroz/Estadão)

Após o governador suspender a reforma da rede de ensino, o secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, pediu para deixar o cargo. A carta com o pedido de demissão foi entregue ao governador, que aceitou a decisão de Voorwald. Alckmin deve anunciar o nome do novo secretário no início desta semana.reor

O governo defende que a reorganização vai melhorar o ensino. Os alunos, porém, contestam e reclamam que não foram ouvidos pelo governo sobre as mudanças e sobre o fechamento das unidades onde estudam. Em protesto, eles passaram a ocupar, desde 9 de novembro, escolas em todo o estado.

SÃO PAULO, SP, 19.11.2015: EDUCAÇÃO-PROTESTO - Alunos ocupam a escola estadual Caetano de Campos, na rua Pires da Mota, no bairro da Aclimação, em São Paulo, nesta quinta-feira (19). Eles protestam contra a politica do governo que fechará escolas estaduais. (Foto: Marco Ambrosio/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 19.11.2015: EDUCAÇÃO-PROTESTO – Alunos ocupam a escola estadual Caetano de Campos, na rua Pires da Mota, no bairro da Aclimação, em São Paulo, nesta quinta-feira (19). Eles protestam contra a politica do governo que fechará escolas estaduais. (Foto: Marco Ambrosio/Folhapress)

 

 

One thought on “São Paulo 136 Occupied Schools fight on: Student Victory March”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

blog of the post capitalist transition.. Read or download the novel here + latest relevant posts

%d bloggers like this: